quinta-feira, 13 de outubro de 2011

aquele medo

Convulsão de sensações
apertam meu peito
lá no fundo
no meu buraco negro oco.

Minha lingua enrola
e desenrola em movimentos
de beijos desesperados
sem outra boca.

Epilepsia no ar.
Olhos perdidos revirados
entre a vida e a morte.

Medo do que vem depois.
Medo do que fica.

1 comentário:

Carolina Hasterreiter disse...

Betina, eu ainda leio o seu livro às vezes!
Está de parabéns pelo trabalho maravilhoso!
Beijos!