sábado, 29 de março de 2008

Minha lógica

Preciso de algo para chamar de meu.
Não é egoísmo não.
Eu também quero o seu.
Quero todos.
Mas preciso de um chão na mente
O solo de sempre
Onde eu possa me consultar
E receber respostas precisas
Um cálculo matemático
E uma pseudo-teoria para praticar

Já dei muitas voltas
Para chegar no mesmo lugar.
Acho que agora quero ir reto
Direto ao ponto.

Já perdi muitos movimentos soltos pelo ar
Acho que agora vou concentrar meus sentidos,
Controlar minhas caretas
E ganhar o menos que é mais

Menos que é mais
Já confundi a lógica

Eu não funciono assim
Ó, mente insana
Tu permites que tudo entre
E faça de você moradia de qualquer penetra.
Em ti cabe de tudo
E o tudo é nada
Então, novamente a lógica acaba.

Chegarei ao 4? 2+2=4?

Acho que estou necessitada dessa técnica exata.
Exatamente aquela que vou gerar, criar, alimentar
E chamar de minha razão.
Depois jogar fora no mundo
Para contornar as curvas com movimentos da ação.
Mas no meu cérebro não.
Aqui agora só o papo reto faz a revolução.

3 comentários:

Tico Tenório disse...

Ei Biti! Adorei esse poema! Principalmente pra onde me leva no final: Aqui agora só o papo reto faz a revolução. Grande sacada! Bjo querida!

Julia disse...

Be, essa poesia 'e sua? Linda amei!!!

Betina Kopp disse...
Este comentário foi removido pelo autor.