quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Ofício

Eu escolhi um ofício onde preciso exercitar o desapego,
entender a transitoriedade das coisas e não me programar.
Viver sem rotina, sem horários, sem final de semana.
Cada passo dado é uma revisão do motivo que me fez escolher essa profissão.
Reafirmo minha opção.
Não existem mais certezas e verdades concretas,
nenhuma programação.

Sem previsão.

...




Vivo na corda bamba das emoções fáceis e difíceis,
navego entre o aplauso e a crítica,
enfrento testes e respostas.
Dou tudo de mim para nada.
Dou nada de mim para tudo.
Encaro a vaidade e exercito a solidariedade.
Trabalho solitária e compartilho coletivos.
Faço papéis, personagens e eu mesma sem papel.
Trabalho duramente e instantaneamente.

Devo estar preparada para tudo
e desarmada para o novo.
Falar rápido e devagar.
Fazer mais, menos ou nada.
Exercitar plenamente a liberdade.
Entender através do afeto.
Estar. E ser.
Artista.


(Foto de Rafael Silva do espetáculo "Escola de Molières")

2 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Antonio Carlos Ottano disse...

bravo! ahasou, viada.