domingo, 27 de abril de 2008

Minha cabeça precisa dormir





Hoje
o pensamento
corroeu meu tempo

No fundo:
Preto, um lodo
E fora:
Sorriso, sol

O que é que o meu coração sente?
Por que invade meu consciente
despejando tantos raciocínios
que me deixam incapaz de agir?
Saia daqui!
Volte para o seu lugar no meu peito.
É somente aqui dentro
que você consegue fechar os olhos
e relaxar todo o seu corpo.
E em sonhos ter a liberdade de sentir sem pensar
Navegando ao léu
Inconsciente
Desfrutando de todos os prazeres impossíveis.

Mas...
Quando resolve sair por ai quicando
Esbarra em todos os seus vizinhos
E carrega tudo para o labirinto do pensamento.
Meu coração de olhos abertos
Possui tantas lentes que fico impotente.
As cores se misturam
E até organizadas numa paleta se perdem.
São tantas as pinceladas...
E esse quadro é enorme.

Sinto-me perdida nesse labirinto do fauno surrealista
Que habita minha cabeça
E agora ou eu danço
E boto tudo para fora
Ou eu descanso e
Deixo meu cérebro dormir
Sonhando com os empíricos
A minha vida está no sonho.

3 comentários:

Naty disse...

Linda, demais. Adoro seus escritos.
Estou lendo com calma, pois não sabia da existência de um blog com suas poesias.
Parabêns Bê.

Beijos
Naty Ansbach

Raquel Couto disse...

Betina querida! Amei a poesia....
Acabei de conhecer seu blog e estou encantada!

Bjo grande!

Anónimo disse...

pano de fundo que funda a realidade.
sonhar é adentrar flutuante nos múltiplos mundo-circuitos das sandices despertadas. vamos por assim... beijo,dudupererê www.verbologue.zip.net